sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

Diário do Alentejo

Caro Leitor (a)

Hoje li o Diário do Alentejo tal como o faço todas as semanas. Aprendi a gostar do Diário do Alentejo muito cedo, talvez com os meus 18 anos. Ainda andava no Liceu Diogo de Gouveia no curso técnologico de comunicação do agrupamento de Humanidades quando o professor de então "António Revez" nos incutia em cada aula o interesse pela leitura e pesquisa de imprensa, principalmente regionalista. Sempre gostei das suas aulas pelo carácter dinâmico e interventivo. Queria que pensassemos, que fossemos criticos, que questionassemos as coisas. Com as aulas dele criamos o Jornal do Liceu que ainda hoje guardo com uma certa nostalgia... acho que nunca lhe disse isto, mas foi talvez um dos principais responsáveis pelo despertar de consciência e pela minha entrada no Partido. Hoje encontra-se noutro campo partidário mas nem por isso lhe deixo de reconhecer o respeito que tenho.
Curioso que foi com ele que visitei o Diário do Alentejo e na altura conheci o seu director, Carlos Pereira. Homem simpático, afável e sempre disponivel, ajudou-nos com conselhos e sugestões e demonstrou desde esse dia uma disponibilidade e atenção para ajudar que hoje ainda perdura. É lá que trabalha igualmente um amigo de seu nome Ferrolho...
Mas voltando ao inicio Hoje li o Diário do Alentejo, li o editorial do novo director e as surpresas anunciadas pelo mesmo aquando da saída da 1500 edição, ficando na expectativa das mesmas.
Gostei da capa e da evocação ao 100º Aniversário do Manuel de Fonseca, escritor, poeta e homem consciente do queria e defendia.
Gostei que não tivesse alterado o aspecto gráfico derrepente e à pressa como que querendo passar uma esponja por cima de tudo.
Gostei de saber que o meu amigo e camarada Paulo Ribeiro (magano estive contigo à poucos dias e nã disseste nada...) está na produção de um espectaculo de evocação ao centenário do Manuel da Fonseca
Enfim gostei do que vi e li...  
Contudo deparei-me com o facto de que os protagonistas de opinião politica já não escrevem para o Diário do Alentejo, opção legitima de quem dirige apesar de não concordar com a mesma. 
Penso que se o critério do Paulo Barriga, que fala no seu editorial de um "jornal enredado nas malhas de pequena politica", passa por não dar voz à pouca voz de opinião que todos os quadrantes politicos da região têm, com a não publicação das crónicas de alguns dos lideres politicos, a mesma retirou conteúdo de reflexão sobre muitos assuntos que nos dizem respeito. A qualidade da democracia passa por falar de politica e de não ter medo dela
Muitos dos jornais nacionais, regionalistas, diários ou semanais falam ou têm opiniões politicas de vários quadrantes politicos e foi sempre assim que conheci o Diário do Alentejo.
Não quero crer que tal decisão tenha servido para justificar outras coisas que à partida seriam sempre mais dificeis de justificar de outra forma.
Nunca neste processo de escolha de director, até porque o conheço de nome e não pessoalmente, questionei a sua seriedade, curriculo e profissionalismo do Paulo Barriga, o que aqui questionei foi o método de um processo que há muito estava decidido e escolhido nos bastidores e que de forma encapotada o lobo vestiu-se com pele de cordeiro. 
Ao Diário do Alentejo e sua equipa muita força para continuarem e ou muito me engano, mas por todas as sinas traçadas, com desfechos inesperados, lutas politicas travadas, anúncios de encerramento premeditados, entre tantos outros momentos que têm acompanhado a vida e história do Diário do Alentejo, este resiste e subsiste como um jornal da região e dos alentejanos de todo o mundo, porque ao fim ao cabo com ele existe um património de gerações de homens e mulheres que com um inegável contributo nos deixaram somente um legado de dar continuidade ao seu trabalho e se possivel melhorar o mesmo sem nunca perder a sua identidade.     
Engraçado como hoje me lembrei de tanta coisa ao escrever sobre o Diário do Alentejo...




9 comentários:

  1. Meu caro Caminhante, é a única pessoa a colocar em causa a seriedade do concurso para escolha do novo Diretor. Mas enfim... quem se habituou a aplaudir quando as escolhas se faziam dentro do partido, tem uma visão muito diferente da minha de isenção!

    ResponderEliminar
  2. Caro H

    Sou a única pessoa publicamente a dizê-lo mas quando o digo é porque muito tempo antes das eleições autárquicas já o nome do Paulo era mencionado por algumas pessoas ligadas ao projecto Beja Capital várias vezes como uma solução para o Diário do Alentejo. O que se veio a confirmar por mera coincidência... enfim.. Que fique claro que quero o sucesso do Paulo pois esse será o sucesso do Diário do Alentejo!

    ResponderEliminar
  3. Caro Caminhante,
    tanto quanto sei, não assume a identidade do blogue!
    E permita-me que lhe diga, falta à verdade: de todas as vezes que se falava no novo diretor do DA era o meu nome que aparecia e depois o nome do Baioa e do José António Brito. (desafio-o a mencionar um link onde o nome do Paulo aparecesse num blogue ou num site por futuro Diretor, nessa época!!)
    Quem começou a falar no nome do Paulo fui eu, pela sua competência e capacidade e, numa terra onde há poucos jornalistas, o nome mais adequado!
    A sua suspeição é - com todo o respeito, mas toda a frontalidade - um pedaço de lama merdosa sobre nomes honrados de pessoas sérios! Fica-lhe mal! Tem alguma dúvida que esta foi a nomeação mais sério na história do DA nos ultimos vinte anos? (nao falo de antes, porque não tenho idade para o saber!)

    ResponderEliminar
  4. Caro H

    A minha identidade é esta mesmo "caminhante" tal como nos seus primórdios era "H".
    Mas isso agora não interessa porque felizmente os pseudónimos ou heterónimos ainda são possiveis na autoria de textos.
    Quando digo pessoas ligadas ao projecto Beja Capital, caso não saiba, estou a inclui-lo! E tal como acabou de confirmar voçê foi um dos que sugeriu o nome do Paulo Barriga, como sugeriu igualmente alguns dos projectos levados a cabo pelo actual executivo este ano e sobejamente reconhecido tal contributo por muitos dos seus seguidores, mas são tudo coincidências meu caro..
    Gostei da sua frontalidade, mas permita-me que diga, que lhe fica mal a forma como a diz ainda mais pela responsabilidade que tem na participação civica desenvolvida.
    Não me viu mencionar neste post a forma como decorreram nos últimos 40 anos as nomeações de director do Diário do Alentejo e muito menos atacar o profissionalismo ou a seriedade do Paulo Barriga. Disse e volto a dizer que o Paulo tenha muito sucesso pois dele depende o sucesso do Diário do Alentejo. Cumprimentos

    ResponderEliminar
  5. Caro Caminhante, não alimento discussões! Assumo divergências e depois cada um faz os raciocínios que entende! Mas.. sublinho um ponto: reconhece que só após as eleições e depois de esgotados muitos nomes, se falou no PB! Mais: tem dúvidas de que dos concorrentes ao lugar era o que tinha o melhor projeto?!
    Porque foi isso que fez em causa! Depois de décadas a nomearem pessoas por motivos partidários, faz-se uma concurso, uma escolha limpa... e aparecem vozes a procurar manchar projetos!
    ps - acha MESMO que o DA perde algo por nao ter crónicas do Ameixa e do Zé Raul?!!!

    ResponderEliminar
  6. Caro H

    Desconheço se esgotaram muitos nomes em torno da escolha do novo director do DA, pois como referiu, na altura só ouvi o seu nome e o do Prof. Baioa, o que me parece um levantamento pouco exaustivo.
    Percebo o porquê de não ter sido um de vós a os escolhidos, pois a participação directa que tiveram na campanha e no projecto Beja Capital criava alguns incómodos desnecessários para os objectivos politicos do Beja Capital e mesmo dentro do PS, depois do que foi apregoado durante a campanha autárquica.
    Não sei quantos projectos foram apresentados e quem os apresentou sem qualquer desprimor pelo escolhido. Mas permita-me que sublinhe e recorde as palavras do Presidente do Municipio de Vidigueira, justificando a não presença da CDU na composição do Júri do concurso afirmando que “não faz sentido pregar isenção e transparência para o cargo de director do Diário do Alentejo e depois escolher um júri composto por políticos que desempenham funções de presidentes de Câmara”.
    Já que a ideia peregrina de transparência e isenção foi a principal razão para a abertura deste concurso porque não o júri também ele ter sido independente e não ser composto por politicos, mas sim por pessoas com conhecimento da causa jornalistica.
    Não existem aqui vozes a manchar projectos jornalisticos,muito menos o do PB que até não conheço em pormenor e nem tenho opinião técnica para o avaliar.
    O que aqui disse circuncreve-se apenas ao método de um processo que há muito estava decidido e escolhido nos bastidores e que de forma encapotada o lobo vestiu-se com pele de cordeiro. Você procura defender o que eu apenas suponho!
    Quanto às crónicas não tenho dúvidas que perde pois como já disse e independentemente do meu posicionamento politico, a qualidade da democracia passa por falar de politica e de não ter medo dela. Afinal de contas "cada um assume divergências e depois cada um faz os raciocínios que entende!"
    Cumprimentos

    ResponderEliminar
  7. Caro Caminhante, democracia é cada um assumir as suas posições.
    O ultimo Diretor do DA foi recrutado no gabinete de propaganda da CMSerpa e teve, na minha opinião, um comportamento obsceno, envergonhando o jornal e os baixo alentejanos! Mas.. como defendeu os interesses do PCP, muitos gostaram e aplaudiram!
    Agora procurou-se um concurso limpo, onde o Diretor fosse escolhido por um autarca de cada um dos três maiores partidos da região, de forma a evitar aproveitamentos políticos. E só não foi a 3, porque o Narra teve um comportamento inaceitável e incoerente! (porque se fosse coerente, ele nunca tinha feito parte de nenhum juri!!!).
    E... para culminar, aparecem as vozes já conhecidas, que na segunda-feira, acertam os resultados de Domingo.
    Sabe meu caro.. muita gente merece a região e o País que tem...
    Dixit!

    ResponderEliminar
  8. Caro H

    Não poderia estar mais de acordo consigo no que respeita ao conceito de democracia.
    No que respeita à posição de "recrutar" um trabalhador de outro município para director do DA, tanto quanto sei não se incorreu em alguma ilegalidade pois os estatutos são claros quando afirmam que por proposta do CD da AMBAAL "O quadro de pessoal próprio da Associação é aprovado pela AI mediante proposta do CD;
    A Associação pode recorrer à requisição ou destacamento de pessoal dos municípios associados sem que deste resulte a abertura de vagas no quadro de pessoal;
    Sempre que o recurso aos instrumentos de mobilidade previstos no nº 3 não permita o preenchimento das necessidades permanentes, as novas contratações ficarão sujeitas ao regime do contrato individual de trabalho;
    Que fique claro que quer o método escolhido por este CD da AMBAAL (concurso) ou pelo anterior (proposta) é legítima e correcta no quadro daquilo que foi as alterações da correlação de forças na região e de acordo com os estatutos da AMBAAL.
    Por isso o método é claro e a opção legitima! Se concorda ou não com este método ou opção isso é outra discussão e prende-se com opções políticas pois a AMBAAL é composta por eleitos dos diferentes Partidos e cabe a eles definir a orientação politica a seguir.
    Volto a afirmar que aquilo que foi apregoado e vendido como transparência e isenção não passou de puro ilusionismo político na medida em que transparência e isenção seria abrir um concurso tal como foi feito mas sem a presença dos presidentes de Câmara, tal como o fez Manuel Narra, o Sr. Pulido e o António Sebastião também não deveriam estar!
    Assim não teria dúvidas em afirmar que o concurso seria transparente e isento! Compreendo que necessita de vir à praça pública defender o seu projecto Beja Capital e as opções que este toma em detrimento de tantas outras que poderia tomar caso você saísse da cidade e visitasse as freguesias rurais para perceber o desinvestimento feito desde que este executivo tomou posse!
    Afinal o concelho de Beja não é só a cidade e tanto quanto foi apregoado nas autárquicas pelo Beja Capital, o Partido era Beja, Neves, Baleizão, Cabeça Gorda, Salvada, Trigaches, Boavista, Albernoa, Beringel e todas as outras...
    Compreendo nas suas palavras que nada é mais importante que o seu ego, mas não se esqueça que "a vaidade é o caminho mais curto para o paraíso da satisfação, porém ela é, ao mesmo tempo, o solo onde a burrice melhor se desenvolve"
    Dixit!

    ResponderEliminar
  9. Não tinha lido a ultima frase! Chamaram-me agora a atenção para a mesma. Diz tudo de quem a escreve!
    Dixit!

    ResponderEliminar