sábado, 29 de janeiro de 2011

O caminhante dá-lhe música!



E amanha a chuva levara
O sangue que a luta deixou derramar
Na pele a dor do aço tão cruel
Jamais a nossa voz vai calar

Um acto assim pode acabar
Com uma vida e nada mais
Porque nem mesmo a violencia
Destroi ideais
Tem gente que nao sente que a mundo assim
Ficará fragil demais

Choro eu e voçe
E o mundo tambem, e o mundo tambem

Choro eu e voçe
Que fragilidade, que fragilidade

Que Alternativa?

Caro(a) Leitor(a)

O Grupo Teatro Forum de Moura (TFM), vai organizar este domigo na cidade salúquia um encontro subordinado ao Tema "Que Alternativa?" para debater e reflectir a partir desta pergunta um conjunto de paradigmas que existem na nossa sociedade e em particular na área das artes e da cultura. Este encontro, que é o primeiro do género no distrito, contará com a participação de personalidades ligadas ao jornalismo, politica, teatro, artes, escrita, entre outras manifestações culturais e artisticas.
O tema é pertinente num quadro em que as politicas seguidas pelo Ministério da Cultura e alguns municipios, têm sido seguidas por cortes no apoio à criação e fruicção cultural, (des)investindo apenas naquilo que é a difusão cultural de produtos para consumo massificado. 

Que Alternativa? Democracia cultural ou Democratização da Cultura?

Democratizar a cultura é um pouco como elevar o nível cultural das massas, contudo, a cultura pode continuar a ser qualquer coisa que se gera à margem dos que tiverem de ser os receptores, cuja produção continua a estar nas mãos de sectores muito minoritários do conjunto social. Democratiza-se o consumo cultural, mas a definição e a criação da cultura permanece elitista. A democracia cultural é como que pôr em causa a noção patrimonial da cultura e consequentemente, a politica de mais ampla repartição dos beneficiários para a substituir por um conceito que confia a definição da cultura à própria população.

Penso que o caminho é claro para quem quer construir uma politica cultural assente na identidade cultural de um povo ou região. A opção pela democracia cultural é o caminho, colocando desta forma nas mãos do povo os instrumentos e as ferramentas necessárias para que ele seja o principal impulsionador da sua identidade cultural e desta forma colocando em causa os "proprietários" da Cultura que por agora prefilam no nosso quotidiano, encapotados pelas redes de cultura e por apoios concedidos pelo QREN sob o manto de uma politica de desinvestimento na Cultura e colocando aos municipios opções empacotadas como um produto fechado "esta é a opção" se for outra já não é financiada.    

Hoje fala-se muito na cultura de massa, uma expressão equívoca e ambígua que, na linguagem corrente “faz referência ao tipo de cultura que se configura como consequência do consumo massivo dos produtos das indústrias culturais. Outros utilizam esta expressão para designar a uniformização dos gostos e interesses, e ao tipo de comportamento social, maneira de viver e de pensar produzido pelos mass - media, especialmente a televisão, cinema, rádio, revistas, publicidade, etc. (…) A cultura de massas, em geral, entende-se como o resultado da expansão dos meios de difusão massiva e a manipulação desses meios que influem nos sistemas perceptivos, nas expectativas e nos gostos das pessoas, com os seus efeitos generalizados de uniformização e dominação cultural.” (Ander-Egg, 1999: 23 e 44). 

Por outro lado, a cultura produzida pela “elite cultural” em que é preferencialmente produzida e transmitida a um grupo mais amplo, alimentando um “fantasma ideológico” que induz a ideia duma cultura de grau superior ou seja o etnocentrismo que é definido como tendência para um avaliar o outro que é diferente, segundo padrões do próprio avaliador, assumindo formas extremas de intolerância cultural, a ponto de considerar que o outro é inferior.

Depois de apresentada o conceito Beja Capital da Cultura e de nele ter visto uma opção politica em termos culturais claramente assente na Programação e que conta com um vasto leque de nomes e artistas interessantes para o consumo cultural, resta-me esperar para ver o trabalho que se segue no apoio á criação e fruicção cultural dos artistas locais, como forma de valorizar o que de bom temos em termos culturais.

A Ana Ademar já deu o Pontapéde saida para uma discussão pertinente aqui, acrescento eu que agora é preciso definir o rumo do que se quer e pretende com os artistas cá da terra. António Revez, cronista do Correio do Alentejo, já disse através da Carta Aberta ao Vereador da Cultura que subscrevo na integra, que agora falta o resto... e não é pouco.
Conselho Municipal da Cultura, Casa da Cultura, apoio às companhias e grupos do concelho, residências artisticas, ateliêrs e workshops diversos, sector educativo do Pax Julia, etc, etc, etc...  

Já o tinha dito e parece-me que o Nuno Figueiredo tem todas as condições técnicas e humanas para poder desenvolver um bom trabalho no apoio aos artistas, criadores e grupos locais, prova disso foi a forma como ele valorizou o trabalho desenvolvido pelo municipio (executivos anteriores), ainda que com as suas insuficiências, no programa da rádio pax, na criação de condições que permitem hoje ver o despontar de alguns grupos musicais bejenses.
Mas nem só de música vive a cultura, ela é mais ampla e heterogênea, contudo se o deixarem trabalhar e lhe deram as ferramentas que precisa terá ele condições para fazer um bom trabalho e a cidade sairá a ganhar.

Talvez e por ironia do destino projectos musicais como os Virgem Suta, Paulo Ribeiro, Eroscópio, Máscara, Ho-Chi-Minh, Babozza, Balão Dirigivel entre tantos outros resultam desse apoio concedido ao longo destes anos.

Não poderei estar, como gostaria, no Encontro promovido pelo TFM, mas não poderia estar mais de acordo com o tema e a pertinência da discussão que lá vai acontecer. Pena que não seja na Cidade de Beja, pois hoje mais que nunca, precisa ela de discutir e debruçar-se sobre esta temática. Ao TFM os meus parabéns pela decisão em discutir a Cultura, não fosse ela um pilar da democracia participada e avançada que queremos para o século XXI! 

Para além da reflexão / discussão, os particpantes poderão assistir igualmente a alguns Documentários que estiveram no DOC LISBOA.
Os interessados poderão consultar o programa a partir daqui.




















   






sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Laboratório Anigrupos

Laboratório Anigrupos


Onde e quando?
Este "Laboratório Anigrupos" decorrerá em Faro, nas instalações do IPJ - Instituto Português da Juventude entre as 10h30 e as 17h30 do dia 12 de Fevereiro - Sábado e terá uma duração de 6 horas.

O programa deste laboratório é o seguinte:
•Apresentação e integração dos participantes, através de um conjunto de jogos/dinâmicas dinamizados pelos organizadores do laboratório.

•Partilha de recursos para animação de grupos. Nesta fase do laboratório, os participantes irão dinamizar jogos e dinâmicas para os outros participantes, (No final deve-se reflectir em conjunto sobre o interesse e utilidade das mesmas para a animação de grupos.)

•Criação de novos recursos para animação de grupos. Nesta fase do laboratório os participantes, divididos em subgrupos, devem procurar criar e experimentar novos jogos e dinâmicas que possam ser utilizados em animação de grupos.

•Avaliação final. No final do Laboratório será feita uma avaliação colectiva do modo como o mesmo decorreu.


terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Isto é um Assalto!




Caro(a) Leitor(a)

Se for de Beja e arredores já terá ouvido falar da questão dos comboios, do apelo ao boicote às presidenciais que deu lugar a uma petição (que já ssinei), do voto CONTRA dos deputados por Beja do PS a um projecto lei do PCP (esses comunas) por causa do sucedido, do movimento de cidadãos que comporta muitos cidadãos anónimos e outros que nem por isso, de uma Assembleia Municipal que alguns não queriam que se realizasse por terem as orelhas quentes sobre esta matéria.
Não tenho dúvidas de que a cidadania é um pilar importante da nossa democracia, não fosse ela social, politica e económica, mas não mais do que isso!
Os direitos fundamentais dos cidadãos têm que ser garantidos e as liberdades públicas respeitadas.
E as instituições da democracia têm que ser, elas próprias, democráticas, não há democracia sem instituições democráticas, e em particular sem partidos políticos democráticos.
Os partidos politicos são compostos por pessoas, homens e mulheres, jovens e reformados ligados a causas, a associações de moradores, de jovens, de comissões de utentes, de movimentos informais e formais e que dão em muitos casos e formas perspectivas e contributos de actuação nos partidos em que participam. Os movimentos de cidadãos são importantes para o envolvimento das populações e na criação de dinâmicas de luta e protesto pela reinvindicação de casos concretos, mas jamais, poderão arredar-se do combate politico e de politicamente pedir responsabilidades a quem de direito. A CP é uma empresa do estado, é o estado que gere com o nosso dinheiro, é o estado que define a sua estratégia e politica de investimento. Os deputados pela região têm o dever moral de defender os interesses das pessoas e da região e não ir a reboque de compadrios politicos chumbando propostas porque não são suas. O presidente cá do burgo tem que fazer ouvir a sua voz e força em vez de andar a brincar à politica dizendo antes uma coisa e depois vir dizer outra aos mass media.
Quanto ao movimento de cidadãos, que tem cidadãos anónimos, pessoas militantes do PS, PSD e PCP, apesar de alguns não quererem, convocou recentemente um Assalto à estação da CP para o dia de amanhã... Pura coincidência! Que o assalto não os levem presos pois fazem falta na Assembleia Municipal e nesta luta! 

Nota Importante: Não soube do Assalto pela Rádio Pax e Voz da Planicie o que me leva a crer que isto está a ser orquestrado pelo dito movimento. Recebi via email, através de uma pessoa que conheço, que é amiga mas que é do PS e foi candidato pelo PS nas últimas autárquicas... Coincidências! Gostava de lá ir, mas por compromissos laborais não me é possivel, fica a minha solidariedade!

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Pax Julia!


Caro(a) Leitor(a)

Já aqui tinha escrito e falado das alterações directivas do Pax Julia, Nuno Figueiredo e Zé Miguel, dois moços amigos e conhecidos com capacidade para refrescar o Pax Julia e dar um toque à sua programação e direcção. Não sei se o anunciado resulta já de trabalhinho deles, se assim for ficam os meus parabéns, caso contrário ficam na mesma!

Alguma da programação:



Dança e Bailado com "Cinderela", "Lago dos Cisnes", "AmarAmália", "A Casa do Rio", "A Bela Adormecida", "Nortada"... pelas melhores companhias nacionais e por grandes companhias internacionais como o Russian Classic Ballet ou o Moscow Ballet, Companhia Nacional de Bailado, Olga Roriz, Mariel Martinez Tango Quintet, Anabela, Companhia Nacional de Bailado, Companhia Portuguesa de Bailado Contemporâneo, Moscow Classic Ballet, Moscow Tchaikovsy Ballet, Russian Ballet, Pontos Negros, Babiruxa, O Feiticeiro da Neve, Mário Daniel, Martina Topley Bird (vocalista de Massive Attack), David Fonseca, Mafalda Veiga, Camané, João Pedro Pais, Rita Red Shoes, Rita Guerra, Linda Martini, Noiserv, Lúcia Moniz, Herman José, Jacinta, Bernardo Sassetti, Pedro ABrunhosa, José Cid, Clã...

Adenda: Ainda espero para ver o resto das intenções e volatrei a este assunto.

Balanço das eleições!

domingo, 23 de janeiro de 2011

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Marktest! Um caso de policia

MARKTEST

A Marktest realizou de 14 a 16 de Janeiro uma sondagem para o Diário Económico e TSF para analisar as intenções de voto nas eleições presidenciais do próximo domingo. Os resultados desta sondagem, que dá a Cavaco Silva uma folgada vitória à primeira volta, têm sido amplamente divulgados durante o dia de hoje por toda a comunicação social e foram até objecto de debates e fóruns em estações de rádio e televisão.


Ora vejamos a ficha técnica da pretensa sondagem:

1. O universo é a população com mais de 18 anos e que habita em residências com telefone fixo;

2. A amostra é constituída por um total de 802 inquiridos e foi estratificada por 6 grandes regiões:

2.1. Grande Lisboa 156 inquiridos (19,5% do total);

2.2. Grande Porto 88 inquiridos (11,0% do total);

2.3. Litoral Norte 155 inquiridos (19,3% do total);

2.4. Interior Norte 181 inquiridos (22,6% do total);

2.5. Litoral Centro 129 inquiridos (16,1% do total);

2.6. Sul, mesmo incluindo a Península de Setúbal, 93 inquiridos (11,6% do total).

3. Do total dos inquiridos 802, responderam a este inquérito 22,6%, ou seja 181 inquiridos. Destes 35,6% responderam não sabe/não responde, isto é, só 116 responderam efectivamente a este inquérito e mesmo dentro destes ouve alguns indecisos que foram distribuídos proporcionalmente aos que declaram sentido de voto.

Vejamos agora qual é, de acordo com os últimos dados do INE, a distribuição da população portuguesa pelas 6 grandes regiões, em que este inquérito foi estratificado:

• Na Grande Lisboa, reside 20% da população, no Grande Porto 12,7%, no Litoral Norte 20,1%, no Interior Norte 11,9%, no Litoral Centro 15,7% e no Sul 19,6%.

Em conclusão: a Marktest tendo por base a resposta de 100 inquiridos, foi este o nº avançado na TSF pelo Sr. Luís Queirós director da Marktest, e uma amostra que atribui aos residentes do Interior Norte um peso correspondente a quase ¼ da população do país, quando efectivamente o seu peso é de pouco mais do que 1/10 e atribuindo aos residentes na região Sul um peso de pouco mais de 1/10, quando o seu peso é de quase 1/5, conseguiu chegar aos brilhantes resultados que esta sondagem apresenta.

Com um pouco mais de esforço e esta sondagem ignorava a vontade dos cerca de 2 milhões de portugueses que residem a sul do País e atribuía aos residentes no Interior Norte, sempre tão esquecidos, um peso determinante no direito de decidir o sentido de voto de todos os portugueses.

Aquilo a que hoje assistimos, pelas suas possíveis implicações no sentido de voto de muitos portugueses, é um verdadeiro caso de polícia, que deveria obrigar as entidades responsáveis pelo acompanhamento destas pretensas sondagens a pura e simplesmente investigar aquilo que sucedeu e actuar, por forma a impedir que este tipo descarado de manipulações possa continuar a ser feito. Como se já não bastasse o silenciamento e deturpação, vêm agora empresas de sondagens que são autênticos burlões, procurar confundir e condicionar o sentido de voto de milhares e milhares de portugueses.

quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

E se fosse o Diário do Alentejo?

Caro(a) leitor(a)

Não conheço o Vitor Serpa pessoalmente apesar de reconhecer o seu Benfiquismo, mas com uma capa destas num jornal nacional imagino se fosse o Paulo Barriga a fazer isto no Diário do Alentejo... Alguns diriam que .....

domingo, 16 de janeiro de 2011

Se tinha dúvidas tire-as!

Caro(a) leitor(a)

Conhecida que é a minha posição politica quanto às eleições presidenciais, não posso deixar de sentir pena pelo "misero" professor de economia que tem uma 1º dama com uma reforma tão baixa.
A hipocrisia do candidato Cavaco Silva é sobejamente conhecida depois de todas as declarações feitas em torno dos sacrifícios impostos ao povo português.
Parafraseando Jerónimo de Sousa a propósito da aprovação deste Orçamento de Estado por parte de Cavaco Silva, ontem no grande almoço em Beja:
"Então, Cavaco Silva, letrado economista, acima de qualquer suspeita, não leu lá que o grande capital financeiro, os banqueiros, iam pagar muito poucochinho, vamos a ver se pagam - enquanto a factura é para os trabalhadores, para os reformados e para o povo português?, Então ele não leu lá, no orçamento que o ataque aos funcionários públicos iria acontecer... Então ele não leu lá que os impostos iam subir... Então ele não leu lá que os reformados iam ganhar menos..."
Desde que o governo Sócrates chegou ao poder, em linha com o pensamento cavaquista, dirigiu um ataque terrorista ao funcionário público, com o silêncio, a cumplicidade, e o apoio discreto do Presidente Cavaco.
Nunca se ouviu, da sua boca, uma palavra em defesa dos "Servidores do Estado", pelo contrário, ele e o seu partido (PSD) intensificaram os ataques aos trabalhadores da função pública, tornando-os bodes expiatórios da má governação do país.
Demagogo, populista, hipócrita, insolente, são adjectivos que não chegam para caracterizar esta personagem política.
 
Ora vejam e ouçam as declarações de Cavaco Silva:
Sobre a reforma da 1º dama
 
Video "O misero professor"
 

 
Video As razões para (não) votar Cavaco

 

sábado, 15 de janeiro de 2011

Post 3 em 1

Caro(a) leitor(a)

"Posta" 1
No espaço de um ano de mandato já foram três as cartas abertas escritas ao presidente cá do "burgo" e agora recentemente ao Presidente da Concelhia Socialista e vereador da CULTURA (Miguél Gois). Confesso que não sei se os remetentes (Lopes Guerreiro e João Honrado e António Revez) receberam alguma resposta mas se a moda pega os eleitores do concelho podem optar por esta via de comunicação tendo em conta a lista de espera criada no atendimento ao municipe.

"Posta" 2
A propósito das eleições presidenciais!
"muda que quando a gente muda o mundo muda ca gente, a gente muda o mundo na mudança da mente e quando a mente muda a gente anda para a frente e quando a gente manda ninguem manda na gente"


Gabriel o Pensador - Até quando
Enviado por carlitos117. - Clipes, entrevista dos artistas, shows e muito mais.


 
"Posta 3"
 
Beja vai ser a Capital das Borboletas de acordo com o municipio de Beja!
Esta revelação foi feita a propósito dos atrasos na reabertura do Jardim Público! Será que é por causa das ditas cujas que o Jardim Público ainda não abriu? 
 
 

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

Pulido Valente o nosso Professor Chibanga!

Caro(a) Leitor(a)

A propósito do texto escrito no 2boletas1chaparro e depois de ver que a torre de menagem não caiu mas que teve quase... quase... começo a acreditar nos dotes mágicos de Pulido Valente!
Conveceu os bejenses e principalmente os jovens precários da PT (empresa sediada ao pé da sede de campanha do Beja Capital) que o programa FIXE é uma versão porreira (pá) das promessas eleitorais de pinócrates e dos 150.000 postos de trabalho!
Perseguindo trabalhadores, retirando propaganda politica e sindical, convenceu os Bejenses de que houve 25 de Abril em Beja com a chegada da democracia e da liberdade após as eleições.
Cortando nos apoios às colectividades conveceu os bejenses que as associações vão receber mais apoios para a sua actividade benévola e voluntária!
Depois de uma reunião com a CP, convenceu os Bejenses que Beja vai ter 5 ligações de comboio directas a Lisboa aproximando a nossa capital dos designios do desenvolvimento.
Convenceu os bejenses que afinal não houve casamento nas eleições autárquicas  e que a derrota da CDU se deveu ao seu mau trabalho, mesmo com a subida de 700 votos!
Enfim muito mais haveria e haverá por dizer, mas de uma coisa estou certo, o Presidente cá do burgo já me convenceu que ele não é nada mais nada menos que o Professor Chibanga!

Nota: Carregue nas palavras a rosa e veja o professor chibanga.

O melhor sitio da noite bejense!

Caro(a) Leitor(a)

Não sei se conhece a padaria do Carocinho no Padrão ou se já lá foi comer uma cabeçinha ás tantas da madrugada! Recomendo vivamente que o faça, não porque tenha lá os melhores hits do momento ou porque esteja a abarrotar de "gajas", mas sim porque este local é digno de ser visitado e nele provar o belo do nosso pão alentejano quentinho, com linguiça assada e saborear as cabeças de borrego assadas. O convivio e o atendimento personalizado e simpático é uma garantia de qualidade do melhor que o nosso Alentejo tem e pode oferecer!  

Nota:
Ontem foi um pão de kilo, 2 linguiças assadas, grade e meia de minis, 4 merendeiros e 3 cabeças de borrego. Era eu e mais 5!

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

O caminhante dá-lhe música

Caro(a) Leitor(a)

Quem fala assim não é gago!

Caro(a) leitor(a)

Com tanta Associação de Municipios, mais parecem cogumelos a nascer nos campos.
Já agora como é que ficou a divida que Pulido diz ter para o Narra pagar?

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Almoço pela ruptura e mudança!

Caro(a) Leitor(a)

É meu convidado!

O caminhante dá-lhe música!

Caro(a) Leitor(a)

O post de hoje é dedicado a Jim Morrison. Vinha no carro quando ouvi o tema Roadhouseblues e pensei no quanto gosto dos The Doors ainda que não tenha colocado aqui um post sobre eles! Chegou o dia!
Estive em em 2001 numa visita a Paris, juntamente com um dos elementos dos Virgem Suta e para além dos monumentos e museus visitados não deixamos de ir ao cemitério de Père-lachaise.
Mundialmente conhecido pela inúmeras figuras e personalidades da música, filosofia e artes.
Jim Morrison foi aqui sepultado e hoje o seu túmulo é pretexto de milhares de visitas!

Já ele dizia que  “Se minha poesia pretende atingir alguma coisa, é libertar as pessoas dos limites em que se encontram e que se sentem"




segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

BPN II

O extremismo convencionalmente considerado de direita emana diretamente de classes ou estamentos sujeitos a uma repentina perda de status e de uma drástica redução de sua influência política. É o extremismo daqueles que, "em outros tempos foram possuidores" e cujo comportamento político está voltado para a defesa a todo custo e/ou para a reconquista das suas tradicionais prerrogativas político-sociais.

O radicalismo é um Sistema político que pretende a transformação imediata e completa da organização social. O Radicalismo filosófico, doutrina filosófica e política de Bentham e Stuart Mill, cujas principais características eram o liberalismo econômico, o racionalismo, o utilitarismo e o individualismo.

Ora:
Um ex-primeiro ministro que com os seus ex-ministros e ex-secretários de estado fundou um banco fraudulento que provocou um terramoto no sistema financeiro português, contribuindo para o endividamento do país;
Um Prof. de Finanças de alta nomeada e gabarito que foi eleito Presidente da República e não impediu o corrupto governo Sócrates de desgovernar o país;
Um Presidente da República que assina o decreto de nacionalização ( sem requerer a nacionalização da SLN) sabendo isto e tudo o mais o que desconhecemos, tendo um obrigação ética de salvaguardar o interesse público acima do seu interesse particular e dos seus amigos;
Conclusão!
Um Presidente República assim é um extremistas e um radical de extrema-direita; e não dá garantias de defender o interesse colectivo da nação portuguesa!
 

domingo, 9 de janeiro de 2011

BPN = Coincidências!

Caro Leitor (a)

Não tenho dúvidas que não há fumo sem fogo. Cavaco Silva como candidato e Presidente da República do nosso País deve dar explicações sobre sobre a compra de acções do BPN.
Que acabe de uma vez por todas com as "injustificadas" acusações tal como fez Sócrates por causa da Face Oculta e do Freeport ao vir a público prestar declarações sobre esses processos  para que possa ser eleito à primeira volta.
É que quando se começa a mexer nos negócios menos claros de Cavaco/ Oliveira e Costa, da mesma forma que quando se mexeu nos negócios menos claros de Sócrates este ganhou novamente as eleições legislativas. 
O povo gosta deste circo e até comenta " tás a ver, o gajo desenrascou-se bem", outros dirão " um homem tão sério a ser assim enxovalhado".
E a junção destes dois tipos de pensamento darão uma grande e confortável maioria absoluta, que é também o sinal claro de que o país vai descer mais uns degraus também por culpa do povo que tem.
Estamos a poucos dias de nos rendermos à necessidade de o FMI vir resolver o que PS e PSD/CDS-PP criaram e porque insistimos em alternâncias politicas não conseguimos estancar o buraco.
A Compra das acções do Cavaco-cidadão, não podem ser desligadas do homem politico e tal seria assobiar para o lado perante a promiscuidade politica existente entre o poder económico e o PSD/PS/CDS-PP.
Coincidência o facto de Cavaco Silva ter Comprado as acções a 1 euro (e só quatro puderam fazê-lo, entre os quais Cavaco e Oliveira e Costa) e depois até vendeu barato...
Por isso Cavaco não vai falar mais do assunto! Normal. E legal!
Por isso é que as regras do mercado intererssam a Cavaco!
Alguém escreveu e é verdade "Esta é a prova provada que o País político é louco, absolutamente esquizofrénico face aos reais problemas da nação!"
Cada vez fica mais claro que os accionistas (que são duas vezes mais sérios que os contribuintes que continuam a ajudá-los) da SLN, BPN e BPP, esconderam-se todos sob o manto da seriedade cavaquista.


Abdool Vakil (Baco EFISA/BPN)

José Judice (BPP)

Joaquim Vieira Coimbra (SLN/BPN)

Coincidência:
O Conselho Superior (CS) da Sociedade Lusa de Negócios Valor - principal accionista da SLN SGPS, que por sua vez detém o BPN - conta com várias figuras ligadas ao PSD:
umas ocuparam ou ocupam cargos de elevada importância no partido, outros são "meros" militantes.
Coincidências não é?

sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

Diário do Alentejo

Caro Leitor (a)

Hoje li o Diário do Alentejo tal como o faço todas as semanas. Aprendi a gostar do Diário do Alentejo muito cedo, talvez com os meus 18 anos. Ainda andava no Liceu Diogo de Gouveia no curso técnologico de comunicação do agrupamento de Humanidades quando o professor de então "António Revez" nos incutia em cada aula o interesse pela leitura e pesquisa de imprensa, principalmente regionalista. Sempre gostei das suas aulas pelo carácter dinâmico e interventivo. Queria que pensassemos, que fossemos criticos, que questionassemos as coisas. Com as aulas dele criamos o Jornal do Liceu que ainda hoje guardo com uma certa nostalgia... acho que nunca lhe disse isto, mas foi talvez um dos principais responsáveis pelo despertar de consciência e pela minha entrada no Partido. Hoje encontra-se noutro campo partidário mas nem por isso lhe deixo de reconhecer o respeito que tenho.
Curioso que foi com ele que visitei o Diário do Alentejo e na altura conheci o seu director, Carlos Pereira. Homem simpático, afável e sempre disponivel, ajudou-nos com conselhos e sugestões e demonstrou desde esse dia uma disponibilidade e atenção para ajudar que hoje ainda perdura. É lá que trabalha igualmente um amigo de seu nome Ferrolho...
Mas voltando ao inicio Hoje li o Diário do Alentejo, li o editorial do novo director e as surpresas anunciadas pelo mesmo aquando da saída da 1500 edição, ficando na expectativa das mesmas.
Gostei da capa e da evocação ao 100º Aniversário do Manuel de Fonseca, escritor, poeta e homem consciente do queria e defendia.
Gostei que não tivesse alterado o aspecto gráfico derrepente e à pressa como que querendo passar uma esponja por cima de tudo.
Gostei de saber que o meu amigo e camarada Paulo Ribeiro (magano estive contigo à poucos dias e nã disseste nada...) está na produção de um espectaculo de evocação ao centenário do Manuel da Fonseca
Enfim gostei do que vi e li...  
Contudo deparei-me com o facto de que os protagonistas de opinião politica já não escrevem para o Diário do Alentejo, opção legitima de quem dirige apesar de não concordar com a mesma. 
Penso que se o critério do Paulo Barriga, que fala no seu editorial de um "jornal enredado nas malhas de pequena politica", passa por não dar voz à pouca voz de opinião que todos os quadrantes politicos da região têm, com a não publicação das crónicas de alguns dos lideres politicos, a mesma retirou conteúdo de reflexão sobre muitos assuntos que nos dizem respeito. A qualidade da democracia passa por falar de politica e de não ter medo dela
Muitos dos jornais nacionais, regionalistas, diários ou semanais falam ou têm opiniões politicas de vários quadrantes politicos e foi sempre assim que conheci o Diário do Alentejo.
Não quero crer que tal decisão tenha servido para justificar outras coisas que à partida seriam sempre mais dificeis de justificar de outra forma.
Nunca neste processo de escolha de director, até porque o conheço de nome e não pessoalmente, questionei a sua seriedade, curriculo e profissionalismo do Paulo Barriga, o que aqui questionei foi o método de um processo que há muito estava decidido e escolhido nos bastidores e que de forma encapotada o lobo vestiu-se com pele de cordeiro. 
Ao Diário do Alentejo e sua equipa muita força para continuarem e ou muito me engano, mas por todas as sinas traçadas, com desfechos inesperados, lutas politicas travadas, anúncios de encerramento premeditados, entre tantos outros momentos que têm acompanhado a vida e história do Diário do Alentejo, este resiste e subsiste como um jornal da região e dos alentejanos de todo o mundo, porque ao fim ao cabo com ele existe um património de gerações de homens e mulheres que com um inegável contributo nos deixaram somente um legado de dar continuidade ao seu trabalho e se possivel melhorar o mesmo sem nunca perder a sua identidade.     
Engraçado como hoje me lembrei de tanta coisa ao escrever sobre o Diário do Alentejo...




quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

Confiança!

Caro leitor (a)

"É preciso transformar desânimos e resignações em esperanças combativas!"

Não viu ontem a Grande entrevista então veja... Foi uma grande entrevista!
 http://tv.rtp.pt/multimedia/progVideo.php?tvprog=1436


Apita o comboio...

Caro leitor (a)

Há uns anos, em 2006 um blog cá da Praça escrevia isto hoje escreve isto.
Ao ler os dois posts um é de ataque politico outro é de conformismo à situação como se a CMBeja não fosse um orgão politico devendo para tal exercer a sua influência e pressão em defesa dos interesses da população.

Pires dos Reis, o candidato maravilha dizia que Beja estava estagnada, por culpa da CMB, à meses que não dá pio!

Já o Presidente cá do burgo através da sua amiga dizia isto, como uma grande conquista para a Cidade e Região. 

Hoje sabemos que afinal os comboios  apitam.

Já tinha ouvido dizer que o presidente cá do burgo sofria de mitomania que por outras palavras é a tendência patológica mais ou menos voluntária e consciente para a mentira.
Normalmente, as mentiras dos mitomaníacos estão relacionadas a assuntos específicos, porém podem ser ampliadas e atingir outros assuntos em casos considerados mais graves.

quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

Malangatana

Caro leitor (a)

Hoje ao fim de tarde e depois d um dia de formação sem tempo para ouvir noticias ou ler a imprensa escrita, ouço pela TSF que o pintor Moçambicano Malangatana Valente Nguenha havia falecido. Comoveram-me as palavras de um outro grande escritor e amigo dele, falo de Mia Couto. 
Um dos pintores moçambicanos mais conhecidos em todo o mundo, tendo sido em 1997 nomeado pela UNESCO como "Artista pela Paz, foi sempre um pintor militante pelo seu oficio, arte e cultura de um povo. Trabalhou em vários ofícios humildes, foi pastor, aprendiz de curandeiro (tinha uma tia curandeira) e mainato (empregado doméstico).
A mãe bordava cabaças e afiava os dentes das jovens locais (uma moda da altura), o pai era mineiro na África do Sul. Com a mãe doente e um pai ausente, Malangatana foi viver com o tio paterno e estudou até à terceira classe. Aos 11 anos começou a trabalhar porque já era "adulto" e podia fazer tudo, de cuidador de meninos a apanha-bolas no clube de ténis.
Nos últimos 50 anos foi também muito mais do que pintor. Fez cerâmica, tapeçaria, gravura e escultura. Fez experiências com areia, conchas, pedras e raízes. Foi poeta, actor, dançarino, músico, dinamizador cultural, organizador de festivais, filantropo e até deputado, da FRELIMO, partido no poder em Moçambique desde a independência.
Ainda que o seu lado político seja o menos conhecido, Malangatana chegou a estar preso, pela PIDE, acusado de pertencer ao então movimento de libertação FRELIMO, sendo libertado ao fim de 18 meses, por não se provar qualquer vínculo à resistência colonial.
Entre 1990 a 1994 foi deputado da FRELIMO e ao longo de décadas ligado a causas sociais e culturais. Foi um dos criadores do Museu Nacional de Arte de Moçambique, dinamizador do Núcleo de Arte, colaborador da UNICEF e arquitecto de um sonho antigo, que levou para a frente, a criação de um Centro Cultural na "sua" Matalana.
Malangatana é um dos pintores moçambicanos mais conhecidos em todo o mundo. Em 2009 esteve a passar uma temporada em Portugal a convite da Câmara Municipal do Barreiro, para a criação de uma escultura monumental, alusiva à Paz. Quis o destino que fosse em Portugal que Malangatana partisse...
 


terça-feira, 4 de janeiro de 2011

Mensagem de Ano Novo!

Caro leitor (a)

A propósito da mensagem de Ano Novo  de Cavaco Silva, é bom lembrar que entre reaccionário e revolucionário existe a diferença entre os senhores que vivem à custa daqueles que são obrigados a viver de mão estendida mas que dá jeito para que os senhores continuem a a fazer exploração do trabalho produzido por aqueles que sustentam as mordomias... Depois de tudo o que se passou no BPN e dos escandalosos lucros da Banca é caso para dizer que temos um Presidente que gosta de Brincar à caridadezinha...



Título: Vamos brincar à caridadezinha
Intérprete: José Barata Moura
Álbum: Caridadezinha
Ano: 1973

Vamos brincar à caridadezinha
Festa, canasta e boa comidinha
Vamos brincar à caridadezinha

A senhora de não sei quem
Que é de todos e de mais alguém
Passa a tarde descansada
Mastigando a torrada
Com muita pena do pobre
Coitada

Vamos brincar à caridadezinha
Festa, canasta e boa comidinha
Vamos brincar à caridadezinha
Neste mundo de instituição
Cataloga-se até o coração
Paga botas e merenda
Rouba muito mas dá prenda
E ao peito terá
Uma comenda

Vamos brincar à caridadezinha
Festa, canasta e boa comidinha
Vamos brincar à caridadezinha
O pobre no seu penar

Habitua-se a rastejar
E no campo ou na cidade
Faz da sua infelicidade
Alvo para os desportistas
Da caridade

Vamos brincar à caridadezinha
Festa, canasta e boa comidinha
Vamos brincar à caridadezinha

E nós que queremos ser irmãos
Mas nunca sujamos as mãos
É uma vida decente
Não passeio ou aguardente
O que é justo
E há-que dar a toda a gente

Não vamos brincar à caridadezinha
Festa, canasta é falsa intençãozinha
Não vamos brincar à caridadezinha
Não vamos brincar à caridadezinha
Não vamos brincar à caridadezinha

segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

Praça da República

Caro leitor (a)

Tal como disse anteriormente estive presente e tal como eu muitos não poderiam faltar! O Jorge Benvinda e o Nuno Figueiredo mereceram este reconhecimento da cidade e a Praça da Republica a noite e o momento.
Que continuem a produzir as músicas com que há muito tempo nos habituaram e que delas façam o nome de Beja ir mais além.
Outra noticia que circulou nessa noite é o facto de o Nuno Figueiredo poder vir assumir a direcção do Pax Julia bem como o Departamento Sociocultural do municipio. Fico satisfeito pela solução encontrada.
Quanto ao resto subscrevo na integra tudo o que aqui está.