sexta-feira, 21 de maio de 2010

Dá-me um abraço...

Caro Leitor(a)
Há muito que andava para escrever sobre a necessidade e importância do abraço, numa sociedade de egoismo, consumismo, desprovida de valores, sentimentos e afectos. A importância de dizermos aos mais próximos aquilo que ao longo da vida não dizemos por força do orgulho próprio, da raiva e desespero que nos consome, dizer o quanto gostamos deles enquanto pisam este chão para que a angústia nunca permaneça dentro de nós mais tarde, como que uma saudade eterna que fura e percorre a nossa alma. 
A necessidade de dar um Abraço sentido, respeitado, com razão de ser, quente e aconchegado.. Abraço de amor, amizade, carinho e respeito... Abraço de confiança, despedida, boas vindas e de sucesso... Abraço que não teme o corpo, que o sente, contorna e aperta a alma... Abraço que diz o que pensamos, sentimos e queremos... Abraço solidário, fraterno e verdadeiro. Abraço com classe e razão de ser!
"Devo dizer, correndo o risco de parecer ridículo, que o verdadeiro revolucionário é guiado por grandes sentimentos de amor. È impossível pensar num autêntico revolucionário sem esta qualidade. Talvez seja um dos grandes dramas do dirigente.. O verdadeiro revolucionário é guiado por grandes sentimentos de generosidade; é impossível imaginar um revolucionário autêntico sem esta qualidade”. Che

1 comentário:

  1. Dizem as boas línguas que para sermos felizes devemos dar, pelo menos, 8 abraços por dia a 8 pessoas diferentes :)...

    Abraço é bom e eu gosto!
    Belo blog!

    ResponderEliminar